JMC-0044 (2).jpg

"A performance atravessa toda minha reflexão e experiência de trabalho, o que influencia diretamente meus desenhos, fotografias e esculturas. Desconstruir, reconstruir e ressignificar, são as principais diretrizes que movem minha prática artística, em um  embate com a argila, papel, grafite, madeira, tecido e outros materiais. Evoco o que julgo essencial, visceral e subversivo para elucidar a liberdade de movimentos de meu corpo até a exaustão e transformação do que pretendo honrar, arriscar e ritualizar."

A artista visual Yohana Oizumi, natural de Rubiataba/ GO,  vive e trabalha em São Paulo. Graduada em  Artes Visuais pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo (2019). Prioriza em seus estudos a vivência e a observação da transformação de materialidades e de si mesma. Através da performance, desenho, fotografia e escultura ela propõe provocações de possíveis leituras críticas a respeito de projeções sensoriais do desconstruir, reconstruir, lutar e ritualizar.  

 

Finalista do PRÊMIO DASARTES 2021. Eleita Artist of The Month pela ArtConnect Magazine February 2021 (Berlim). Contemplada pelo EDITAL FAMA Meios e Processos 2020. Participa de exposições nacionais e internacionais como  (Brasil) Subsolo Laboratório de Artes, Museu de Belas Artes de São Paulo, Instituto Tomie Ohtake Núcleo de Cultura, Casa Contemporânea, Goethe Institut. (Portugal) Galeria Ocupa, Centro para os Assuntos de Artes e Arquitectura. (Alemanha) Next Museum IO . (Itália) Millepiani. (Coréia do Sul) CICA MUSEUM. (Cuba) FIVAC. (Lituania) Šiluva Art biennial’21. (Holanda) Vincent Van Gogh Photo Award.

"The performance crosses all my reflection and work experience, which in turn influences my drawings, photographs, sculptures. Deconstructing, reconstructing and repurposing are the main guidelines that move my artistic practice, in relation to the clash with clay, paper, graphite, wood, fabric. I evoke what I consider essential, visceral and self-subversive to elucidate the freedom of movement of my body until exhaustion and transformation of what I intend to honor, risk and ritualize."   

 

 Yohana Oizumi is a Brazilian visual artist who lives and works in São Paulo. In 2019 she graduated from the University Center of Fine Arts in São Paulo. In her studies, Oizumi prioritizes the experience as well as the observation of the transformations within herself and  of materialities. Through her performance, drawing, photography and sculpting, she proposes defiant possible readings regarding sensorial projections of the action of desconstructing, reconstructing and repurposing. 

Fotografia © Isabela Senatore e Joào Chimentào

2021

2020

2019

 EXPOSIÇÕES | EXHIBITIONS

SP-ARTE. Apresentação da Performance "Sub Versões". Galeria de Babel.

Acervo Rotativo. OFICINA CULTURAL OSWALD DE ANDRADE. | Curadoria Laerte Ramos

Vincent Van Gogh Photo Award 2021.  PARQUE CENTRAL DA CIDADE DE NUENEN. Nuenen, Holanda

Šiluva Art biennial’21  “Touched Land”. SACRED SQUARE SANCTUARY.  Siluva, Lithuania.

Color 2021. CICA MUSEUM. Seoul, South Korea.

Festival Internacional de Videoart de Camaguey. FIVAC. Camaguey, Cuba.

Mostra Museu PAINÉIS DE PONTOS DE ÔNIBUS. São Paulo, Brasil | Curadoria Carolina Ralston 

Casa Tato 3 . CASA CONTEMPORÂNEA. São Paulo, Brasil. | Curadoria Claudinei  Roberto

Mostra De Vídeos “Através Dos Afetos.” CAAA. Guimarães, Portugal. | Curadoria Tales Frey.

Festival FIXE. São Paulo, Brasil

Festival Internacional TimelineBH. Belo Horizonte, Brasil

Bad Art. Rússia, Moscow.​

Language. MILLEPIANI. Rome, Italy.

I Mostra Internacional de Economia Criativa. São Paulo, Brasil.

Nosso Corpo Ritual. SUBSOLO LABORATÓRIO DE ARTE. Campinas, Brasil. | Curadoria  Andrés  Hernandez.

Indicadores Da Carne. GALERIA OCUPA. Porto,  Portugal. Colaboração na obra  de Tales Frey Dos Gestos que Sobrevivem em Nós, 2020. | Proposição e orientação  Tales Frey.

Um Metro e Meio. GOMA GRUPA. São Paulo, Brasil. 

Mapping The Cartography. NEXT MUSEUM. IO. Düsseldorf,  Germany.  | Curadoria, Collective Rewilding.

Mostra [2055]. UFRB. Bahia, Brasil. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. 

Nosso Olhar é Caminho. MUBA. São Paulo, Brasil. | Orientação curador Cauê Alves.

Burburinho Literário . GOETHE INSTITUT. São Paulo, Brasil. | Curadoria Helena Freddi.

II Mostra De Performance. GALERIA 13. São Paulo, Brasil

Espaço Do Olhar. INSTITUTO TOMIE OHTAKE núcleo cultura, São Paulo, Brasil. | Curadoria Fabio Delduque. 

2021

2021

2021

2020

2021

FORMAÇÃO

Bacharelado em Artes Visuais. Centro Universitário Belas Artes de São Paulo  

 

Arte Contemporânea. SUPER BACANA. Agnaldo Farias

 

Selecão Leitura Portfólio. OSWALD DE ANDRADE. Com Bruno Novaes e Julia Lima

 

Acompanhamento. HERMÉS. Com Carla Chaim e Nino Cais.

Círculo de Conversas. ESPAÇO DUAS. Com Regina José Galindo

Cerâmica. HERMES. Brisa Noronha.

 

Consultoria Carreira. Com Roberto Bertani.

Fotografia Projetos. MIS PAULISTA.  Com Celina Yamauchi.

Performance. UNIVERSIDADE FEDERAL DE TOCANTINS.  Com Thaise Nardim.

Laboratório Vídeoperformance. ESPAÇO LUX. Com Tales Frey.

Arte contemporânea. CASA DO SABER.  Com Agnaldo Farias.

Desenho.  ACASATELIÊ  Com Adalgisa Campos e Márcia Pastore.​

Mentoria  Artística Sistêmica. Com Kátia Salvany

Orientação Artística. HF ATELIER  DE GRAVURA. Com Helena Freddi.

Cerâmica. Com Antonio Pulquério.

 

Potencial Poético: Tormentosa Gestação. Com Leandro Roman.

Pintura, prática e reflexão. INSTITUTO TOMIE OHTAKE. Com Paulo Pasta.

Monitoria acadêmica na disciplina História das Exposições.  UNIVERSIDADE BELAS ARTES. Com Cauê Alves.

História da arte. MIS. Com Fernando Amed.

Arte e curadoria. EMA KLABIN. Com Ana Avelar.

Arte Contemporânea MAM. Com Pedro França.

Olhar curatorial O útero do mundo MAM. Com Verônica Setigger.

32 Bienal: Natureza, Território e Conflito. MAM. Com Magnólia Costa.

2019

2021

2020

2019

2017